Pular para o conteúdo principal

Minha Declaração de Fé

1. Creio que a Bíblia é a Palavra de Deus inspirada, infalível, totalmente confiável, e a autoridade suprema em todos os assuntos de fé e conduta.


2. Creio em um só Deus, Criador e Conservador de todas as coisas, bom e infinitamente perfeito, que eternamente coexiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo, que possui conhecimento perfeito do passado, presente e futuro, sendo quem preserva, regula, governa e dirige todas as coisas de modo que nada no mundo acontece sem o seu comando ou permissão. Deus é o autor do bem, mas não do mal. No entanto, mesmo o mal é governado por Deus que o limita e o direciona para um fim adequado conforme o seu plano maior.


3. Creio que Jesus Cristo é totalmente Deus e totalmente humano, tendo sido concebido pelo Espírito Santo e nascido da Virgem Maria. Ele viveu uma vida sem pecado e morreu na cruz como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Ele ressurgiu corporalmente no terceiro dia e subiu aos céus e está assentado à mão direita do Pai. Ele voltará pessoal e visivelmente no final desta era para julgar os vivos e os mortos e para conduzir os salvos para a morada eterna.


4. Creio que parte do ministério do Espírito Santo é glorificar o Senhor Jesus Cristo. Ele age para convencer os pecadores, capacitando-os a acreditarem em Cristo, regenerando o pecador, e habitando, guiando, instruindo e capacitando o crente a viver de modo digno do Evangelho e concedendo dons para cumprimento de sua missão como cristãos.


5. Creio que a humanidade foi criada à imagem de Deus, mas caiu de seu estado original através da desobediência deliberada, resultando na condenação da morte e separação de Deus. A partir daí, os seres humanos se tornaram escravos do pecado, incapazes de satisfazer a vontade de Deus. Mas a graça preveniente de Deus prepara e capacita os pecadores a receberem com fé o dom gratuito da salvação oferecida em Cristo. Somente através da graça de Deus é que os pecadores podem crer em Cristo e assim serem regenerados pelo Espírito Santo para uma nova vida. É também a graça de Deus que capacita os crentes a permanecerem firmes na fé e na prática de boas obras que Deus preparou de antemão para que andássemos nelas.


6. Creio que o sangue derramado de Jesus Cristo e sua ressurreição foram oferecidos para a salvação de todas as pessoas, mas só são eficazes para aqueles que creem no Evangelho. A morte e a ressurreição de Cristo constituem o único fundamento de justificação e salvação, e somente aqueles que crêem em Jesus Cristo se tornam filhos de Deus pela regeneração do Espírito Santo.


7. Creio que a graça salvadora de Deus é resistível, que a eleição para a salvação está condicionada à fé em Cristo, e que perseverar na fé é necessário para a salvação final.


8. Creio que a Igreja foi criada por Deus. É o povo de Deus, o Corpo do qual Cristo Jesus é o seu Senhor e Cabeça. O Espírito Santo é a sua vida e poder. Ela é tanto divina como humana, tanto celeste como terrestre, tanto ideal como imperfeita. Ela é um organismo, não uma instituição imutável. Ela existe para cumprir os propósitos de Deus em Cristo. Ela ministra a redenção que há em Cristo às pessoas. Cristo amou a Igreja e deu-Se a Si mesmo por ela para que pudesse ser santa e sem mácula. A Igreja é a comunidade dos remidos que tem a incumbência de viver e pregar o Evangelho e de ministrar os sacramentos conforme a instrução de Cristo.


9. Creio que é meu dever buscar a plenitude do Espírito Santo para dar um bom testemunho de Cristo e para pregar com eficácia o Evangelho, fazendo discípulos de todas as nações.


10. Creio que Jesus retornará sobre as nuvens dos céus com grande poder e glória e que haverá a ressurreição corporal de todos os mortos; dos crentes para a bem-aventurança e alegria eterna com o Senhor; e dos incrédulos para julgamento e castigo eterno.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

IntroduçãoOs pré-tribulacionistas afirmam que Deus não permitirá que a Igreja sofra no período da Grande Tribulação. Mas, não existe nenhum versículo bíblico que ensine que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e nada existe também na Bíblia sobre uma Segunda Vinda de Cristo em duas fases ou etapas, separadas por sete anos de Grande Tribulação, e também não há nada sobre um arrebatamento “secreto”, pois não há nada de secreto e silencioso nos relatos que descrevem o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16-17; Mt 24.31). 
Outra incongruência deste ponto de vista é a ideia de um arrebatamento para tirar a Igreja e o Espírito Santo da Terra antes da manifestação do Anticristo. Se este fosse o caso, o Anticristo seria anti o quê? Anticristos são falsos profetas que já atuavam no mundo nos tempos mais primitivos da Igreja. Não devemos confundir Anticristo com a Besta ou Bestas Apocalípticas. Todas as menções ao(s) Anticristo(s) aparecem nas epístolas joaninas e dizem respeito aos hereges o…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …